segunda-feira, 15 de junho de 2015

Game of Thrones termina temporada com bons desfechos e sacrifício de personagem central

George R. R. Martin e os produtores de "Game of Thrones" já mostraram que não têm piedade por nenhum de seus personagens. Lá atrás, na primeira temporada, Ned Stark (Sean Bean), aquele que parecia ser o protagonista da série, foi acusado de traição e decapitado. A família Stark, uma das centrais na luta pelo trono de ferro, também teve mais baixas com as mortes de Robb (Richard Madden) e Catelyn Stark (Michelle Fairley). O impiedoso Joffrey Baratheon (Jack Gleeson) não foi poupado e morreu envenenado. Agora, no final da quinta temporada, exibido neste domingo (14), foi a vez de um novo e importante personagem central sair de cena.
O último episódio começa com a caminhada de Stannis Baratheon (Stephen Dillane) até Winterfell, que ele pretende tomar das mãos dos Boltons, que se autointitulam os novos líderes do norte de Westeros. Em desvantagem e aconselhado pela feiticeira Melisandre (Clarice van Houten), Stannis sacrifica a filha Shireen (Kerry Ingram), que é amarrada e queimada viva. A atitude faz com que muitos homens do exército dele fujam e também provoca o suicídio da esposa de Stannis, Selyse (Tara Fitzgerald).
Mesmo em menor número e sem Melisandre, que foge ao perceber a desvantagem, Stannis decide atacar Winterfell, mas vê seu exército ser massacrado pelos homens dos Boltons. Agonizando após a derrota, ele encontra Brienne (Gwendoline Christie), que jurou vingar a morte de Renly Baratheon (Gethin Anthony). Sentenciado à morte pela guerreira, a cena deixa a dúvida quanto à morte de Stannis, já que a execução não é mostrada.
Enquanto a batalha acontece, Sansa Stark (Sophie Turner), que foi convencida a se casar com Ramsay Bolton (Iwan Rheon), cansa de viver à mercê do sádico personagem e decide pedir ajuda para fugir de Winterfell. Ela é confrontada e ameaçada pela amante de Ramsay, mas, depois, é salva por Theon (Alfie Allen), que mata a amante do herdeiro Bolton e ajuda na fuga de Sansa, pulando com ela o muro da fortaleza.
Em Braavos, Arya Stark (Maisie Williams) continua seu treinamento com Jaqen (Tom Wlaschiha) para se tornar exímia na arte do disfarce. Apoderando-se de um dos muitos rostos do mestre, a garota mata Meryn Trant (Ian Beattie), um dos nomes de sua lista de vingança. A atitude, no entanto, é repreendida por Jaqen, que acusa Arya de não estar pronta para sua missão. Em seguida, a menina acaba ficando cega.
Em Dorne, Jaime Lannister (Nikolaj Coster-Waldau) é autorizado a voltar para King´s Landing com Myrcella (Nell Tiger Free). Durante o início da viagem, a jovem revela saber que Jaime é seu pai e mostra aceitar bem o fato de ele ser irmão de sua mãe, Cersei (Lena Headey). Poucos instantes depois, Myrcella começa a sofrer com os efeitos de um beijo venenoso dado por Ellaria (Indira Varma), inimiga declarada dos Lannister e que toma o único antídoto para o veneno.
Longe de Meereen depois de sofrer uma emboscada, Daenerys Targaryen (Emilia Clarke) é levada por seu dragão até um região cercada por um exército dothraki. Para encontrá-la, Jorah (Iain Glen) e Daario (Michiel Huisman) deixam a cidade e partem em uma jornada, deixando o comando de tudo com Tyrion (Peter Dinklage), Missandei (Nathalie Emmanuel) e Verme Cinzento (Jacob Anderson).
Um dos melhores momentos do episódio e da série ficou por conta da punição de Cersei, vítima do julgamento da Fé dos Sete, grupo religioso que exerce grande influência em King´s Landing. Depois de confessar ter tido um caso com o primo, enquanto ainda era casada com o rei Robert, a rainha recebe a misericórdia dos deuses, mas, antes, precisa passar por uma expiação. Para chegar até o castelo, Cersei é obrigada a andar nua e com os cabelos cortados no meio de seus súditos, enquanto é hostilizada e machucada por eles.
Por fim, o episódio mostra a morte de Jon Snow (Kit Harington), assassinado por seus subordinados da Patrulha da Noite. O comandante é emboscado pelos "companheiros" e esfaqueado diversas vezes por ter tomado a decisão de ajudar os Selvagens. O menino Olly (Brenock O'Connor) desfere o golpe final, por nunca ter se conformado pela morte dos pais, assassinados pelos Selvagens. 
Criticada por muito fãs dos livros de George R. R. Martin, nos quais se baseiam a série, a nova temporada de "Game of Thrones" consegue mostrar, a cada novo ano, que pode caminhar com suas próprias pernas e ousar para surpreender o público, inclusive aquele que já conhece a obra literária. Os roteiros dos episódios continuam muito bem escritos, criando boas cenas e destinos para os personagens.
A principal qualidade da série ainda é sua capacidade de analogia e reflexão, já que muitos temas abordados na produção, como política e religião, conseguem dialogar com a vida real. Histórias desse quinto ano, como a influência do grupo religioso Fé dos Sete no governo de King´s Landing e os ataques dos Filhos da Harpia contra o reinado de Daenerys em Meereen merecem ser destacados como bons enredos desse quinto ano.
Mesmo tendo tramas contestadas pelos fãs da série "As Crônicas de Gelo e Fogo", "Game of Thrones" constrói uma marcante carreira na televisão, como uma série madura, bem escrita e com personagens marcantes. Só não se apegue a nenhum deles, pois qualquer um ali, em qualquer momento, pode morrer. Não duvide disso!

Nenhum comentário:

Postar um comentário