domingo, 30 de março de 2014

Desfecho surpreendente deve alterar rumos de The Good Wife

Por essa ninguém esperava! Na semana passada, a série "The Good Wife" exibiu um desfecho surpreendente em sua história, que pegou de surpresa os espectadores. O protagonista Will Gardner (Josh Charles) trabalhava na defesa de um jovem acusado de matar uma estudante. O advogado trabalhava com a hipótese de que vítima e acusado não se conheciam e, apenas, poderiam ter se cruzado durante o dia do crime e partilhado de algum objeto em comum, o que explicaria o DNA do rapaz que foi encontrado embaixo da unha da vítima. Will confiava na inocência do jovem e estava obstinado a tirá-lo da cadeia, mas algo deu errado...
Desesperado com as reviravoltas do caso e com as constantes manobras da promotoria para que o júri o condenasse, além, talvez, da possível culpa pelo crime, o jovem aproveita-se de uma falha de um policial que faz a segurança do tribunal e saca o revólver do guarda, atirando para todos os lados e fazendo algumas vítimas. A atitude do garoto acaba matando Will Gardner, uma das pontas do triângulo amoroso principal de "The Good Wife". E agora? Como continuar uma série sem um dos protagonistas? Aí devem entrar as habilidades dos competentes roteiristas da televisão norte-americana...
A morte de Will não havia vazado anteriormente e nem tinha sido anunciada pelos produtores da série. O motivo é um só, e muito comum no mercado televisivo americano: depois de cinco anos fazendo "The Good Wife", Josh Charles pediu para sair. Alegando que, criativamente, já tinha contribuído com tudo o que podia na série, o ator pediu para deixar o elenco no final da quarta temporada, que terminou ano passado. Convencido pelos produtores, no entanto, ele aceitou fazer os 16 primeiros episódios do quinto ano do programa.
Will Gardner era uma peça importante para o enredo de "The Good Wife". Na história da boa esposa Alicia (Julianna Margulies), que foi traída pelo marido Peter (Chris Noth) e obrigada à retomar a carreira de advogada quando o mesmo foi preso, acusado de corrupção e de se envolver com prostitutas, o personagem de Josh Charles simbolizava um novo começo para Alicia, afinal, tinha sido ele o responsável em apostar no talento adormecido da protagonista no direito.
Além de tudo, Will era o par romântico e, ao que parecia, impossível de Alicia. Sempre que os antigos namorados entregavam-se ao amor, algo acontecia e mudava os rumos da história. A saída de Peter da cadeia, a volta para casa do ex-marido, a candidatura do mesmo ao governo de Illinois, e a ascensão profissional de Alicia foram alguns motivos que levaram o casal a se separar. Nos últimos tempos, Will e Alicia travavam uma guerra entre escritórios de advocacia, após ela ter saído da antiga firma para apostar em um negócio próprio, levando consigo vários e importantes clientes de Gardner.
"The Good Wife" sempre me impressionou pela qualidade dos roteiros, que resultavam em episódios muito bem escritos e temporadas repletas de surpresas. Neste quinto ano, em exibição nos Estados Unidos, a série ganhou uma história muito interessante, focando na rivalidade dos "mestres" Will e Diane (Christine Baranski) e dos "alunos" Alicia e Carry (Matt Czuchry), que saíram da antiga firma e começaram do zero levando, é claro, alguns velhos clientes da a nova empreitada.
Com a saída "surpresa" de Josh Charles, "The Good Wife" deve mudar os rumos de sua história para se adaptar à ausência de um personagem essencial para a narrativa que estava sendo trabalhada. Mas, por outro lado, a morte de Will também pode servir para sacudir a vida dos personagens e levá-los à novos caminhos. Uma das mudanças que já aparecem na trama, e que vejo com muito bons olhos, é o retorno de Louis Canning (Michael J. Fox), um incômodo adversário de Alicia, que vai ocupar o lugar de Will na firma de advocacia, ao lado de Diane. Promete! Que venham os novos dias dessa excelente e surpreendente série.

Nenhum comentário:

Postar um comentário