quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

Vitórias no Globo de Ouro superestimam The Affair

Depois que "The Affair" saiu do Globo de Ouro consagrada como o melhor drama da televisão, rapidamente, tratei de recuperar o tempo perdido e me atualizar sobre essa série que me passou despercebida, mas que agradou em cheio a imprensa estrangeira que vota na premiação. Afinal, que seriado tão bom é esse que desbancou as sempre ótimas "Game of Thrones", "House of Cards", "The Good Wife" e "Downton Abbey"?
A trama de "The Affair" é narrada a partir dos pontos de vista do escritor Noah (Dominic West) e da garçonete Alison (Ruth Wilson), ambos casados, que se envolvem em um relacionamento amoroso durante uma temporada de verão nos Hamptons. Os fatos são relatados durante a investigação policial de um assassinato que aconteceu na região.
Buscando um lugar para escrever seu segundo livro, Noah e a família partem para as férias na casa dos pais de sua esposa Helen (Maura Tierney). O período, no entanto, não pode ser considerado tranquilo para eles, já que a interferência dos sogros do escritor na educação das crianças e no casamento com Helen provoca brigas entre eles.
Com detalhes diferentes nos relatos do casal de amantes, descobrimos a aproximação de Noah e Alison, bem como os conflitos pessoais que rondam os casamentos dos dois. Lutando para esquecer a morte do filho, que morreu afogado, Alison envolve-se com o professor e, dessa forma, se afasta das mágoas e traumas enfrentados na relação com o marido Cole (Joshua Jackson). Enquanto isso, Noah busca na garçonete um refúgio para as cobranças da esposa e uma inspiração para seu novo livro.
O principal ponto positivo de "The Affair" é o estilo da narrativa, que apresenta os fatos sob a ótica dos dois principais envolvidos, o que implica em diferentes versões sobre um mesmo acontecimento. O recurso instiga o espectador e desperta curiosidade para descobrir quem está dizendo a verdade. A boa ideia, no entanto, não é suficiente para salvar a série, cujo roteiro é mal conduzido nos primeiros episódios. A repetição de situações e o texto, por vezes, muito arrastado prejudicam o andamento da série no início. A utilização de clichês para desvendar algumas "pontas soltas" da história também enfraquecem a narrativa, que melhora muito nos últimos quatro episódios, mas que não apaga o começo equivocado.
O elenco é correto e conta com alguns bons destaques, como Maura Tierney, que vive a esposa traída de Noah. Já os protagonistas parecem, sempre, superficiais e não convencem como o casal que é arrebatado por muita paixão e tesão. Ruth Wilson, aliás, não justifica o Globo de Ouro que recebeu como melhor atriz de drama, uma vez que, nos bons momentos da personagens, ela não consegue sair do trivial.
Mesmo com um bom recurso narrativo e episódios finais interessantes, chego a conclusão que "The Affair" foi superestimada pelos votantes do Globo de Ouro e, de forma alguma, poderia ser considerada a melhor série de TV do gênero, já que não passa de regular. Enfim, premiações são assim mesmo e, diversas vezes, levam em consideração muitos outros aspectos antes de pensar na qualidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário