domingo, 20 de agosto de 2017

Roteiro pouco criativo não frustra bom encontro de personagens em "Os Defensores"


Em plena moda dos crossovers, a reunião das quatro principais séries da Marvel era um evento, além de inevitável, muito aguardado. Em meio à banalização do recurso na televisão, a tarefa não era das mais fáceis, uma vez que "Demolidor", "Jessica Jones", "Luke Cage" e "Punho de Ferro" possuem ritmos e estéticas diferentes, mesmo "conversando" dentro de um mesmo universo. Com a primeira temporada de "Os Defensores" já superada, é possível dizer que o resultado foi satisfatório, mesmo que com uma ressalva importante.
Em oito episódios, "Os Defensores" retoma a história dos "vigilantes" de Nova York a partir dos acontecimentos vistos em "Punho de Ferro", a série individual menos interessante de todas. Caçando os membros d´O Tentáculo pelo mundo, Danny Rand (Finn Jones) descobre que as respostas que ele procura sobre a organização nunca deixaram a Big Apple. Em paralelo a isso, o protetor do Harlem, Luke Cage (Mike Colter), sai da prisão e volta para o dia a dia do bairro. Rapidamente, no entanto, ele é chamado para ajudar um garoto, que parece estar envolvido com uma onda de crimes na região.
Na região de Hell´s Kitchen, o aposentado Demolidor agora atua, apenas, como o advogado Matt Murdock (Charlie Cox). Para tentar preservar a vida dos amigos e a própria, ele tenta se dedicar a salvar as pessoas pelo caminho da lei. A detetive particular Jessica Jones (Krysten Ritter) é outra que tenta levar a vida dentro da "normalidade", bebendo e evitando se envolver emocionalmente com outras pessoas. Esses planos, no entanto, são frustrados com a chegada de um novo caso a ser resolvido.
As trajetórias individuais dos personagens acabam levando à reunião do grupo, que converge seus interesses ao descobrir que O Tentáculo está envolvido em um plano que pode destruir Nova York. Liderada por Alexandra (Sigourney Weaver), o organização precisa capturar o Punho de Ferro para se manter imortal e continuar, por mais séculos, a ter poder e onipresença. Para isso, a líder aposta na ação da Céu Negro, a nova identidade de Elektra (Elodie Yung), resgatada da morte para ajudar na busca pela vida eterna.
A principal qualidade de "Os Defensores" também vem da tarefa mais difícil, que era a condução da trama para a convergência pretendida. Com cuidado e coerência, os três primeiros episódios são dedicados ao encontro dos personagens, que, a meu ver, é feito de uma forma inteligente e bastante plausível. Para isso, são utilizados elementos presentes em todas as histórias individuais, que se costuram através de ganchos coerentes.
Apesar de criticado nas primeiras críticas sobre a série, que alegam "demora" para a história engrenar, considero esse período fundamental para a construção do universo compartilhado. Essa "espera" para a reunião do grupo, inclusive, resulta em um efeito estético interessante para a produção. A convergência cuidadosa ajuda a criar uma transição visual e uma identidade própria para "Os Defensores", que respeita as diferenças individuais em relação a fotografia e outros recursos de cada uma das tramas solos dos personagens.
Apesar de ter uma trama mais ligada aos acontecimentos vistos em "Demolidor" e "Punho de Ferro", o roteiro do crossover consegue introduzir bem os universos de "Jessica Jones" e "Luke Cage" no contexto geral. Isso também é feito com os coadjuvantes e com os demais membros d´O Tentáculo, vistos nas outras produções e inseridos com coerência.
Mesmo que traga essas qualidades, é necessário fazer uma ressalva importante a "Os Defensores". Todo o cuidado com a construção de uma trama uniforme não se refletiu nas soluções do roteiro, que se resolve a partir de escolhas previsíveis e, em alguns momentos, frágeis. Isso, no entanto, acaba não comprometendo no resultado final, que, é verdade, poderia ser mais criativo, mas que ainda funciona como bom entretenimento.
"Os Defensores" é um bom crossover e até funciona melhor do que a maioria das reuniões do gênero, vistas, atualmente, de forma exagerada no universo das séries. Para ter sido ótima, ficou faltando criatividade. Mas, a produção prende a atenção e se torna uma boa opção para "maratonar".

OS DEFENSORES (primeira temporada)

ONDE: Netflix (todos os episódios disponíveis)

COTAÇÃO: ★★★ (boa)

Nenhum comentário:

Postar um comentário