domingo, 8 de dezembro de 2013

Adeus, Walter White!

O ser humano nasce mal ou se deixa corromper durante a vida? Essa antiga questão permeia a cabeça do telespectador durante as cinco temporadas de "Breaking Bad", série que terminou há pouco mais de dois meses, nos Estados Unidos, mas que só agora consegui chegar ao "gran finale". 
No início, Walter White (Bryan Cranston) era um pacato professor de química do ensino médio, que precisava se desdobrar para sustentar a família. Além das aulas, Walt ainda trabalhava em um lava-rápido para completar a renda da casa que, na época, receberia mais uma moradora. Além da esposa Skyler (Anna Gunn) e do filho Walter Jr. (RJ Mitte), os White estavam à espera de Holly, a filha mais nova. Para completar as dificuldades, o professor de química descobre estar com câncer, o que lhe daria pouco tempo de vida.
Temendo deixar a família em uma péssima situação financeira, como alegava, Walt decide usar seus conhecimentos químicos para produzir metanfetamina e, com isso, entrar para o mercado milionário do tráfico de drogas. Para isso, conta com a ajuda do sócio e ex-aluno viciado Jesse Pinkman (Aaron Paul). Com um produto diferenciado, caracterizado pela cor azul e pureza, Walt passa a ser conhecido com Heisenberg e conquista fama e fortuna. Mas, nesse ramo de negócios, o sucesso aparece cercado de perigos, violência e mortes.
Gradualmente, o pacato professor se revela um homem perverso, capaz de tomar decisões extremas em nome do poder que obteve. Desrespeitando princípios éticos, morais e familiares, Walt faz tudo para manter o dinheiro e o status que conseguiu com seu negócio, mesmo que isso signifique arriscar a vida de um membro da família ou manipular as vontades e escolhas de seu sócio.
Depois de uma trajetória difícil, com muitos altos e baixos, Walt chega ao último episódio isolado em uma cabana em New Hampshire, para não ser pego pela polícia. Com seu esquema descoberto por todos e a morte do cunhado Hank (Dean Norris), um agente do departamento de narcóticos da polícia, ele precisa viver afastado do seu mundo. Tentando deixar dinheiro para a família, Walter decide procurar antigos amigos e fazer com que eles forjem uma doação aos seus filhos. Depois que isso é feito, ele volta para o Novo México querendo resolver todas as questões pendentes.
Primeiro, ele tem um último encontro com Skyler e, ali, revela a real motivação para tudo isso. Sempre alegando ter se tornado um criminoso em nome do bem estar da família, pela primeira vez, ele assume que suas atitudes foram tomadas em seu benefício, para a própria satisfação. "Eu gostei disso, eu era bom nisso", relata à esposa.
Em seguida, Walt vai até os bandidos que lhe roubaram o dinheiro e o status no mercado de metanfetamina. Para se vingar, ele bola um esquema para fuzilar todos eles e, de quebra, envenenar Lydia (Laura Fraser), a responsável pela distribuição da droga. A morte dos bandidos permite que Jesse, que estava sendo mantido prisioneiro, fique livre e vá em direção de um futuro incerto. Já Walter, atingido pelos tiros, acaba morrendo cercado por seus equipamentos químicos e parecendo satisfeito por tudo o que passou.
Sucesso de público e crítica, "Breaking Bad", sem sombra de dúvida, foi uma série especial. O primeiro elemento que permitiu isso foi o roteiro, muito bem construído e repleto de situações tensas e desfechos inteligentes, que nunca subestimaram o espectador. Não houve um único episódio ruim em "Breaking Bad", uma vez que todos os aspectos da história foram bem explorados pelos roteiristas.
Outro ponto fundamental da série foi a construção da personalidade dos personagens. Walter, por exemplo, teve uma trajetória construída a partir de seu envolvimento com o poder que conquistou. O simplório professor de química era, na verdade, muito frustrado por não ter conseguido levar a vida que queria como um importante pesquisador. Assim, aos poucos, a cada episódio, Walt é corrompido pelo mal e torna-se um bandido. Isso faz com que o espectador, que também conhece outras facetas mais doces do personagem, fique dividido entre torcer por ele ou contra ele. E Walter é somente um exemplo da qualidade da criação dos personagens. Skyler, Jesse, Hank, Saul Goodman (Bob Odenkirk), Lydia, Mike (Jonathan Banks) e Gustavo Fring (Giancarlo Esposito) são outros ricos elementos de "Breaking Bad".
Na verdade, "Breaking Bad" é tão grandiosa e bem feita que poderia ficar aqui por várias horas apenas relembrando e destacando as inúmeras qualidades que fizeram esse sucesso. Aproximo-me, então, do final desse texto com o sentimento que minhas palavras não conseguiram fazer jus a essa série que, para mim, vai ficar na memória como a melhor e mais perfeita já feita. Com isso, me despeço: Adeus, Walter White!

Nenhum comentário:

Postar um comentário