segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Estreia de The Flash é morna e não empolga

Os super-heróis vindos dos quadrinhos parece que, definitivamente, consolidaram seu espaço na televisão norte-americana. Além de "Smalville", "Arrow", "Gotham" e "Agents of S.H.I.E.L.D", a fall season trouxe a origem de mais um herói com a estreia de "The Flash", cujo primeiro episódio foi exibido aqui no Brasil na última quinta-feira (16).
O começo da série mostra a infância do protagonista Barry Allen (Grant Gustin), que vê sua mãe morrer envolvida em um misterioso "tornado luminoso". Depois que o pai é acusado do homicídio, o menino a ser criado pelo detetive Joe West (Jesse L. Martin), pai de sua melhor amiga, Iris (Candice Patton).
Anos depois, Allen trabalha como perito da polícia de Central City. Atrapalhado e sempre atrasado, ele recebe a ajuda do detetive que o criou para encobrir seus deslizes e, ainda, nutre uma paixão secreta por Iris. Sua vida, no entanto, sofre uma reviravolta quando ele é atingido por um raio e permanece meses em coma.
Quando acorda, descobre estar aos cuidados da equipe do cientista Harrison Wells (Tom Cavanagh), que também foi o responsável pelo raio que vitimou Allen e parece saber mais do que revela. De volta à rotina, o rapaz descobre que adquiriu, após o acidente, uma nova habilidade e pode correr mais rápido do que qualquer outra criatura. Só que, em meio a tantas novidades, "The Flash" descobre que outros também adquiriram poderes e que precisa proteger a cidade daqueles que usarão essa condição para o mal.
Apostando em mistério sobre o passado do herói, "The Flash" estreou com uma história muito fraca, sustentada por clichês e ganchos rasos, que não prendem a atenção do espectador. A apresentação do personagem é feita, de modo geral, sem grandes surpresas ou fatos que tornem a série atrativa, exceto a última cena, que coloca "uma pulga atrás da orelha" sobre o andamento da série.
A produção e os efeitos de "The Flash", imprescindíveis para uma série de super-herói, não fazem feio e conferem alguma qualidade ao programa. O elenco, formado por nomes não tão expressivos, faz tudo direito e, se não ajuda, também não prejudica o seriado.
Com certeza, "The Flash" veio para, mais uma vez, reforçar o espaço dos super-heróis na televisão. Não faria mal, no entanto, que a série saísse de certa "zona de conforto" e apostasse mais no inusitado para ganhar o espectador. Em um terreno fértil como a TV americana, onde vários programas se destacam pela originalidade, não arriscar e se manter "sem sal" pode ser uma sentença de morte (ou de cancelamento) para qualquer seriado.


THE FLASH (primeira temporada)

Quando: a partir de 16 de outubro, todas as quintas-feiras

Onde: Warner Channel

Horário: 22h30

Nenhum comentário:

Postar um comentário