segunda-feira, 2 de março de 2015

How To Get Away With Murder surpreende com reviravolta e gancho para novo ano

Quando estreou, em setembro do ano passado, "How To Get Away With Murder" já mostrava que não vinha para ser, apenas, mais uma série na grade de programação da TV norte-americana. Uma narrativa não-linear, um mistério empolgante e uma protagonista marcante deram o tom do primeiro episódio, que foi se desdobrando em outros quatorze episódios igualmente instigantes e viciantes. Com o final da primeira temporada, a mais nova série de Shonda Rhimes consolida-se com uma das mais criativas e surpreendentes no ar atualmente.
Depois de acreditarem ter descoberto o nome do responsável pela morte da jovem Lila (Megan West), os alunos de Annalise Keating (Viola Davis) começam a ter dúvidas sobre a culpa de Sam (Tom Verica), o marido da advogada, no crime. O primeiro a desconfiar é Wes (Alfred Enoch), que descobre as mentiras da namorada Rebecca (Katie Findlay) sobre o dia do assassinato. As dúvidas também contagiam Connor (Jack Falahee), Michaela (Aja Naomi King) e Laurel (Karla Souza), que passam a questionar, também, o envolvimento deles na morte de Sam. 
A possibilidade da inocência e a falta de "propósito" da morte de Sam mexem com a cabeça dos estudantes, que reveem todas as provas do julgamento para tentar descobrir falhas no depoimento de Rebecca sobre a morte de Lila. Enquanto isso, Annalise ainda tenta enfraquecer as provas que forjou e que apontam seu amante Nate (Billy Brown) como o assassino de Sam. Para isso, uma nova promotora é designada para o caso, vasculhando provas para o julgamento.
Com o mistério sobre a morte de Sam já esclarecido durante a temporada, o último episódio focou apenas em revelar o verdadeiro assassino de Lila. E, como já é de costume, a série surpreendeu ao mostrar a culpa indireta do marido de Annalise e a participação de Frank (Charlie Weber), o assistente da advogada, no principal crime da temporada. No fim, um gancho deixa "uma pulga atrás da orelha" sobre o novo ano da série ao revelar a morte suspeita de Rebecca, escondida no porão da protagonista enquanto era interrogada sobre o assassinato de Lila.
Imperdível desde o começo, "How To Get Away With Murder" apresentou uma trama muito bem costurada, o que mostra extrema habilidade dos roteiristas em narrar um história fora da ordem cronológica dos fatos e não deixar nenhuma ponta solta. A edição rápida e a direção são outras das qualidades que fizeram o êxito da série.
"How To Get Away With Murder", contudo, não seria a mesma se não fosse por Viola Davis, a protagonista cheia de nuances da série. Dura e implacável no começo, ao poucos, a atriz vai mostrando todas as fragilidades da advogada, que passam por insegurança e remorso. Em uma das cenas mais marcantes da série, Viola Davis retira a maquiagem e a peruca que "montam" Annalise e revela a verdadeira face de Anna Mae, nome verdadeiro da personagem. A participação especial da atriz Cicely Tyson, como mãe da protagonista, também foi fundamental para a história.
Mais curta do que são, normalmente, as séries da TV aberta americana, "How To Get Away With Murder" já deixa saudades pela qualidade da trama e pelos bons ganchos e mistérios, que prometem continuar empolgantes no próximo ano da série. Apesar de já encerrada, a primeira temporada só começa, aqui no Brasil, na próxima quinta-feira (5), o que dá a oportunidade de rever o novo vício criado por Shonda Rhimes e alimentado por Viola Davis.

Nenhum comentário:

Postar um comentário