sexta-feira, 15 de maio de 2015

Obsessão pela mãe aumenta e protagonista perde o controle em Bates Motel

Em busca da irmã desaparecida, que ficou hospedada em um motel na beira da estrada, Lila Crane (Vera Miles) descobre um segredo inesperado sobre o proprietário do estabelecimento. No rastro de Marion (Janet Leigh), ela descobre que Norman Bates (Anthony Perkins) tem uma obsessão pela mãe Norma que o leva à loucura. Desde o começo, a série "Bates Motel" parte dos acontecimentos narrados pelo filme "Psicose", de Alfred Hitchcock, para contar a origem de Norman e a razão de todos os seus problemas. Em sua terceira temporada, que terminou na última segunda-feira (11), a obsessão do protagonista pela mãe atinge um novo patamar e o faz perder, cada vez mais, o controle.
A relação de Norman (Freddie Highmore) e Norma (Vera Farmiga) volta mais estremecida neste terceiro ano da série. Assustado com seus "apagões", que o fazem perder a consciência, o adolescente decide sair da escola e passa a estudar em casa. Mais próximo dos cuidados da mãe, ele começa a gerenciar o motel da família e, também, inicia um namoro com a amiga Emma (Olivia Cooke). Todas as tentativas de levar uma vida normal, no entanto, são ameaçadas por seus problemas mentais, que o fazem enxergar a mãe e conversar com ela, mesmo quando Norma não está por perto.
A obsessão patológica de Norman é alimentada por um sentimento de ausência da mãe e, ainda, pelo envolvimento de Norma com os homens. O relacionamento da mãe com um psicólogo, que descobre todos os detalhes sobre os problemas do protagonista, só faz alimentar a loucura de Norman. Confuso, em alguns momentos, o jovem passa a viver a ilusão de ser Norma, vestindo, inclusive, suas roupas. Quando Norman se envolve com alguma mulher, a mãe se "materializa" e aconselha o protagonista a punir suas parceiras.
Dylan (Max Thieriot), o filho mais velho de Norma, vive, nesta temporada, uma relação mais sólida com a mãe. A proximidade dos dois se deu depois que Dylan descobriu os traumas de Norma causados por ela ter sido estuprada, na adolescência, pelo irmão Caleb (Kenny Johnson), que vem a ser pai do rapaz. Abordado por Caleb, Dylan acredita no arrependimento do pai e tenta promover a paz na família.
Além de todos os problemas pessoais, Norma ainda se envolve com um dos chefes do tráfico de drogas em White Pine Bay. Com informações que podem provocar a prisão de muita gente, a mãe de Norman passa a fazer chantagem para impedir que um desvio na estrada, onde seu motel está instalado, prejudique os negócios. As coisas complicam quando o chefe do tráfico descobre os segredos de Norman e ameaça revelá-los a todos. Mas, para se livrar dos problemas, Norma vai contar com a ajuda do xerife Alex Romero (Nestor Carbonell), que demonstra ter outros interesses pela protagonista.
Sempre muito bem escrita, "Bates Motel" continua prendendo a atenção do público com a história de Norman, cada vez mais obcecado pela mãe. O aprofundamento dos conflitos do personagem fez com que a série se distanciasse do filme de Hitchcock e ganhasse novos contornos, mesmo ainda mantendo-se fiel à história original. As tramas paralelas, que circundam a loucura de Norman, também são interessantes e, sempre interligadas ao núcleo central, ajudam a garantir boas temporadas, como foi o caso deste terceiro ano.
O que mais impressiona, no entanto, são as interpretações de Freddie Highmore e Vera Farmiga, totalmente entregues aos papéis de Norman e Norma. Os olhares de Highmore e a dubiedade impressa por Vera só tornam a série mais interessante e imperdível.
Caminhando para sua quarta temporada, "Bates Motel" mostra que sabe explorar as nuances dos personagens e vai além, criando novos caminhos para a obsessão de Norman pela mãe, que, daqui para frente, só deve aumentar e fazer mais vítimas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário