segunda-feira, 2 de outubro de 2017

"Grey´s Anatomy" segue tentando retomar características que consagraram a série

Depois de treze anos no ar e inúmeras reviravoltas para a trama, como a saída de importantes personagens, é difícil pensar para onde vai caminhar "Grey´s Anatomy" na décima quarta temporada. No episódio de estreia, exibido na quinta-feira (28), nos Estados Unidos, deu para perceber que a equipe da criadora Shonda Rhimes quer resgatar elementos perdidos ao longo do tempo e que fizeram a série ser uma das mais bem-sucedidas na televisão norte-americana.
O drama clássico da série, banalizado em temporadas anteriores, dá sinais de uma volta mais intensa neste novo ano, especialmente relacionado ao conflito de Meredith (Ellen Pompeo) e a volta da esposa de Nathan (Martin Henderson), o interesse amoroso da protagonista após a traumática morte de Derek Shepherd (Patrick Dempsey).
Depois de passar anos como refém em uma zona de guerra, no Oriente Médio, a mulher de Nathan, irmã de Owen Hunt (Kevin McKidd), é levada para o Grey Sloan Memorial Hospital para tratar de ferimentos. A volta dela, até então, dada como morta, deixa o relacionamento entre Nathan e Meredith em suspenso. A situação se torna ainda mais delicada quando a médica se dispõe a tratar da mulher, com a promessa de um transplante que pode melhorar a qualidade de vida da paciente, que, por sua vez, deseja voltar para o filho adotivo que deixou na zona de conflito.
Mesmo com a cunhada no hospital, Amelia (Caterina Scorsone) se mantém afastada do contato com Hunt e a família dele. Para se manter longe deles, é passa a se dedicar, em tempo integral, ao caso de um garoto de sofre de constantes e intensas dores de cabeça. A doença do menino, considerada inoperável, faz com que a médica use um artifício arriscado para convencer Jackson (Jesse Williams) a restaurar a mandíbula do paciente, danificada durante a operação.
O início do décimo quarto ano ainda traz a busca por normalidade no relacionamento entre Karev (Justin Chambers) e Jo (Camilla Luddington) e as reformas do hospital, coordenadas por Miranda Bailey (Chandra Wilson), às voltas, também, com questões feministas relacionadas à posição dela como chefe. Como não podia deixar de ser, um novo grupo de internos também surge para testar a paciência de Richard Webber (James Pickens Jr.).
Há, pelo menos, duas temporadas "Grey´s Anatomy" parece ter entendido a importância de retomar características importantes da série, como o foco no drama e na trajetória de Meredith, perdidas ao longo do tempo. Agora, isso ganha ainda mais força e pode representar ganhos interessantes para uma produção que, por estar no ar há tantos anos, enfrenta desafios para a reinvenção.
Além de continuar transitando entre o drama e o humor com muita naturalidade, o roteiro parece acertar ao dar mais foco e desenvolvimento a tramas. A escolha pela saída de alguns personagens desgastados e perdidos na história, como Stephanie (Jerrika Hilton) e Eliza Minnick (Marika Dominczyk), esta última de curta permanência, também foi acertada. Trazer de volta a médica Teddy Altman (Kim Raver) foi uma boa forma de mexer com a trama de Owen e Amelia. O drama da cunhada de Meredith também pode render bons frutos.
Diante de uma trajetória tão intensa, "Grey´s Anatomy" parece estar fazendo as escolhas certas para o futuro, que caminha sem data certa para o desfecho. O resgate de características que sustentaram a série ao longo desses anos pode ser uma boa forma de mantê-la interessante por mais algum tempo.


GREY´S ANATOMY (décima quarta temporada)

ONDE: ABC (Estados Unidos) e Canal Sony (Brasil; ainda sem data de estreia)

Nenhum comentário:

Postar um comentário