Segunda temporada mais madura de Demolidor reforça acerto da Marvel em séries


Com um êxito indiscutível no cinema, a Marvel está mostrando que a expansão de seu universo nas séries de TV, sejam elas exibidas em canais convencionais ou serviços de streaming, é bem pensada e feita com qualidade. Os acertos no gênero ficam evidentes na segunda e mais madura temporada de "Demolidor", que tem todos os episódios disponíveis no Netflix. 
No segundo ano da produção, um dos focos principais da história fica por conta da influência do surgimento de vigilantes em Hell´s Kitchen. Depois da prisão de Wilson Fisk (Vincent D´Onofrio), o escritório dos advogados Matt Murdock (Charlie Cox) e Foggy Nelson (Elden Henson) passa a receber novos clientes, mesmo muitos deles não tendo condições de pagar pelos serviços. A carreira de Murdock na advocacia continua tendo que ser dividida com sua outra função noturna: a de Demolidor, que atua no combate aos bandidos da cidade.
Uma das tarefas do vigilante de Hell´s Kitchen é descobrir quem é o responsável por exterminar todos os grupos mafiosos que tentam ocupar o "mercado", vago desde a prisão de Fisk. Os violentos assassinatos, que causam espanto aos policiais, são praticados por Frank Castle (Jon Bernthal), que ganha a alcunha de Justiceiro e se dedica a vingar a morte da família. O caso chama atenção da promotoria de Nova York, que caça o novo vigilante a qualquer custo e mostra profundo interesse em vê-lo fora de circulação. 
Quando o Justiceiro é preso, a dupla Murdock/Nelson decide defendê-lo, desagradando a promotoria e ameaçando o futuro profissional dos advogados. Para tentar amenizar a pena e justificar as atitudes de Castle, eles recebem a ajuda da assistente Karen (Deborah Ann Woll), que segue pistas do passado do Justiceiro e se sensibiliza com as descobertas. 
A vida profissional de Murdock e, consequentemente, a relação dele com o melhor amigo, ficam abaladas pela "carreira" de Demolidor. Além de Castle, ele enfrenta uma ameaça trazida por um antigo relacionamento. Elektra (Elodie Yung) surge em Hell´s Kitchen seguida por uma organização japonesa que, a princípio, estaria ligada apenas com o crime organizado.
Aos poucos, os objetivos do grupo começam a ficar mais claros ao público e é revelado que todas as ações estão a serviço do Tentáculo, uma ordem ninja com interesses mais específicos. Isso faz com que o Demolidor e Elektra se unam para perseguir essa organização.
A construção da história proposta pela segunda temporada é a grande qualidade de "Demolidor". Apresentada de forma gradativa, a trama tem um roteiro maduro, bastante focado em aspectos subjetivos dos personagens e bem amarrado. Não há um episódio que deixe a sensação de estar ali para "cumprir tabela", cada capítulo tem sua importância e traz novas nuances para a história, que ganha um tom mais sombrio nesse segundo ano. As cenas de ação estão mais violentas e, ao mesmo tempo, mais bem produzidas e realistas.
O roteiro também aposta mais nas questões relacionadas à personalidades dos vigilantes de Hell´s Kitchen. Murdock tem aprofundadas as suas dúvidas sobre a influência da atuação do Demolidor para a sociedade e, ainda, em relação aos limites impostos por ele para essa atuação. O personagem mais bem desenvolvido, no entanto, é o Justiceiro, construído a partir de ambiguidades e conceitos muito distantes do tradicional maniqueísmo. A trajetória dele, ao longo da temporada, é, sem dúvida, responsável pelo êxito da série. Já Elektra é mal introduzida no início, mas, com o passar dos episódios, a personagem mostra nuances que justificam o contexto da história.
Vale destacar, ainda, um aspecto importante, que vai além de "Demolidor". O espaço na televisão, especialmente no Netflix, permitiu que a Marvel desse, aos personagens, um tratamento diferente do apresentado nos cinemas. Nas séries, com mais tempo, as histórias podem ser melhor desenvolvidas, adquirindo camadas mais profundas. Ainda é possível, no gênero, expandir o conceito do heroísmo tradicional e apresentar novas nuances à figura do herói.
A disponibilização de todos os episódios da temporada permite a realização de uma maratona e, para aqueles que conseguem, a experiência se mostra válida, pois a trama ganha uma unidade bem interessante. Não há perda de aproveitamento, no entanto, para aqueles que, como eu, precisam acompanhar a trama aos poucos. O roteiro maduro e consistente resulta em uma ótima série, formada por episódios bem amarrados e completos. Com "Demolidor", a Marvel reforça que encontrou, na televisão, um ambiente para desenvolver bem personagens que, talvez, o cinema tivesse dificuldade em absorver. A atuação anterior do vigilante de Hell´s Kitchen nas telonas só confirma isso. 

Em tempo: tentei não dar spoilers relevantes no texto, mas não dá para deixar de falar de um dos melhores momentos da temporada. A volta de Wilson Fisk é feita de forma grandiosa e, ao que parece, importante para o futuro da série. Todas as cenas relacionadas a isso são ótimas!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

The Blacklist apresenta novo gancho para trama central e introduz spin-off arriscado

"Scandal" encerra trajetória com desfecho aberto e coerente para os personagens

Chicago Fire termina temporada com promessa de boa continuidade