Once Upon A Time embarca no sucesso de Frozen em nova temporada

Depois de tornar-se um fenômeno dos estúdios Disney nos cinemas, era previsível que "Frozen" ganhasse outras plataformas e se desdobrasse em livros, cd´s, brinquedos e outros. A história das irmãs Anna e Elsa, no entanto, foi além e, desde o último domingo (28), invadiu a televisão norte-americana com a nova temporada de "Once Upon A Time".
No primeiro episódio do quarto ano da série, Storybrooke começa a viver dias congelantes com a chegada da rainha Elsa (Georgina Haig), vítima da viagem no tempo que trouxe Emma (Jennifer Morrison) e o Capitão Gancho (Colin O´Donoghue) de volta à cidade. A Rainha da Neve, do conto de Hans Christian Andersen, circula pelas ruas apreensiva com o mundo que ela não conhece e em busca da irmã Anna (Elizabeth Lail).
Durante o episódio, descobrimos que a trama se passa após os acontecimento do longa da Disney, quando Elsa já dominou os poderes congelantes e reina em Arendelle. Às vésperas do casamento de Anna, a rainha descobre um diário da mãe que revela uma pista sobre o destino da viagem que matou seus pais anos antes. A revelação faz com que Anna deixe o reino em direção à Floresta Encantada, onde se passam as histórias da maior parte dos personagens do seriado.
Enquanto isso, de volta à Storybrooke, Regina (Lana Parrilla) sofre com as consequências da viagem no tempo de Emma, que trouxe de volta a esposa de Robin Hood (Sean Maguire). A provável perda do amor faz com que Regina reviva seus momentos de Rainha Má e traga de volta Sidney (Giancarlo Esposito), seu valoroso Espelho Mágico, para ajudá-la a reverter a situação.
Enquanto isso, Rumplestiltskin (Robert Carlyle) vive momentos de redenção ao lado de Bela (Emilie de Ravin). Em lua-de-mel, o casal frequenta uma casa desconhecida, local que guarda um misterioso objeto.
Pegando carona no sucesso de "Frozen", "Once Upon A Time" aposta no fenômeno cinematográfico da Disney para se reinventar, depois de ter resolvido os conflitos iniciais das primeiras temporadas. Ainda acho que a principal qualidade do seriado é a habilidade dos roteiristas em contar histórias infantis sem infantilizá-las, o que amplia as possibilidades de agradar a diversos públicos.
Passadas quatro temporadas, dá para perceber os motivos que levaram os autores a centralizar várias histórias nos conflitos de Regina. Isso, com certeza, se deve à atuação de Lana Parrilla, que consegue imprimir ambiguidade em sua personagem. Jennifer Morrison ainda se destaca, mesmo que a protagonista tenha perdido certas nuances. Josh Dallas, Ginnifer Goodwin e Jared Gilmore também começam a temporada apagados, o que, de certa forma, desperta a curiosidade de saber o que estará reservado a eles nesse novo ano.
A chegada de Elsa, além de trazer o inverno e novos personagens para Storybrooke, também promete trazer novos conflitos para a fábula de "Once Upon A Time". Resta saber a Rainha da Neve vai esquentar as coisas na série ou conseguirá esfriar uma trajetória que, até agora, foi bem sucedida.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

The Blacklist apresenta novo gancho para trama central e introduz spin-off arriscado

"Scandal" encerra trajetória com desfecho aberto e coerente para os personagens

Chicago Fire termina temporada com promessa de boa continuidade