Perdas dominam o começo da quarta temporada de Downton Abbey

A dor da perda é a principal causa dos ganchos do primeiro episódio da quarta temporada de "Downton Abbey", drama de época que estreou no domingo (22) na Inglaterra. O ano agora é 1922 e a família Crawley está sofrendo com a morte prematura de Matthew (Dan Stevens), vítima de um acidente de carro. O falecimento do marido deixou Lady Mary (Michelle Dockery) viúva e fez com que ela entrasse em depressão, não dando atenção para o filho do casal, George.
A morte de Matthew também mexeu com a herança e a administração da propriedade. A fortuna agora será herdada por George e deve ser administrada por um responsável. A fragilidade de Mary faz com que Lord Grantham (Hugh Bonneville) reivindique o direito de gerir o dinheiro. Mesmo assim, a participação de Lady Mary na administração de Downton é defendida por Tom (Allen Leech) e pelo mordomo Carson (Jim Carter), preocupados com a tristeza da viúva.
Nas dependências dos empregados, uma notícia movimenta os funcionários. Na calada da noite, O´Brien (Siobhan Finneran) vai embora, deixando apenas um bilhete para justificar a atitude. Abalada pela saída de sua dama de companhia, Cora (Elizabeth McGovern) precisa, então dedicar-se a encontrar uma nova empregada. Isso ocasiona a volta de uma antiga e indesejada funcionária, que promete causar alguns problemas. Thomas (Rob James-Collier) vive seu primeiro conflito da temporada, já que fica incomodado com as atitudes da babá das crianças da casa.
Carson tem mais um pouco de seu passado revelado no início do quarto ano da série. O mordomo recebe um telegrama de um antigo amigo, mas ignora o recado, o que desperta a curiosidade de Miss Hughes (Phyllis Logan). Ela, então, vai atrás do amigo de Carson e descobre que ele precisa de ajuda. O socorro vem de Isobel Crawley (Penelope Wilton), que busca um novo sentido para sua vida após a morte do filho Matthew.
Com um primeiro episódio melancólico e centrado nas perdas da família, "Downton Abbey" parece abrir caminho para mais uma boa temporada, deixando tramas e desfechos interessantes em aberto. O roteiro continua apostando, como nos anos anteriores, nas mudanças sofridas e sentidas pela aristocracia inglesa com o passar dos anos, como a chegada de novos aparatos. O papel da mulher na sociedade, ao que parece, também ganhará destaque na temporada, através da independência de Lady Edith (Laura Carmichael) e a atuação de Lady Mary na administração de Downton.
As recentes baixas no elenco, com a saída de Dan Stevens e Siobhan Finneran, que tinham papéis de destaque na série, são sentidas neste primeiro episódio. Mesmo assim, o autor Julian Fellowes resolve os destinos dos personagens como pode e não decepciona, tentando criar novos ganchos dramáticos para a história.
O elenco continua sendo um dos diferenciais de "Downton Abbey" nesta temporada. Maggie Smith cumpre, sempre, muito bem seu papel como a Condessa Viúva e matriarca dos Crawley. Hugh Bonneville, Elizabeth McGovern, Michelle Dockery e Jim Carter também se destacam.
"Downton Abbey" passa por diversas mudanças e, mesmo assim, consegue manter a qualidade do roteiro e da produção. Sucesso no mundo todo, os dilemas da aristocracia inglesa prova que continua com fôlego para muitas histórias. E que permaneça assim!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

The Blacklist apresenta novo gancho para trama central e introduz spin-off arriscado

"Scandal" encerra trajetória com desfecho aberto e coerente para os personagens

Chicago Fire termina temporada com promessa de boa continuidade